Roteiro em Paris – 5 dias (parte 1)

Nossa amiga Amanda Sena esteve em Paris com o Leandro, seu marido, durante 5 dias e soube muito bem aproveitar a cidade e organizar seu tempo. Ela escreve para o blog Serviço de Bordo onde ela pôde dividir sua experiência na cidade. Como nós sabemos que o seu relato pode ajudar diversas pessoas que pretendem conhecer a capital francesa, e buscam um bom roteiro em Paris, resolvemos dividi-lo com vocês, nossos leitores, também!

Aproveitem! 🙂

Casal em frente ao museu do Louvre

Casal em frente ao museu do Louvre

 

A Europa sempre foi um sonho antigo, e não somente pela fama e glamour que um lugar como Paris possa ter, mas principalmente por tudo que o velho continente representava para mim: cultura. Só de pensar na efervescência da música, museus, artistas de rua, arquitetura,história… os cenários de tantos filmes queridos… Tudo era muito emocionante e a primeira parada dessa jornada não poderia ser outro lugar que não Paris – a boa e velha (e ainda muito charmosa) cidade luz.

Fizemos um roteiro de quatro dias e meio, que apesar de meio corrido nos permitiu conhecer bastante a cidade. Claro que ainda pretendemos voltar, mas hoje já posso dizer que conheço um pouco do melhor de Paris.

Dia 1 de 5 – A chegada

Nosso vôo atrasou 2h para sair de São Paulo o que acabou atrasando todo nosso planejamento, uma vez que chegaríamos em Paris no começo da tarde e pretendíamos já ir bater perna de imediato. Só que com o atraso da saída, somado a demora para pegar nossas bagagens na esteira, acabamos chegando ao nosso local de hospedagem somente no final da tarde.

A imigração no aeroporto Charles de Gaulle foi muuuuuito tranqüila. Já haviam me falado que a França é um país tranqüilo para entrar na Europa, mas não nos perguntaram absolutamente nada. Carimbinhos no passaporte praticamente imediato. Uma beleza.

A saída do aeroporto também foi sossegada. Mesmo se você chegar em Paris pelo aeroporto CDG, que fica a 30 Km de Paris, não existe necessidade de gastar dinheiro com táxi (viagem low-budget, lembra?!), o sistema de metrô e trens metropolitanos de Paris é um dos melhores da Europa.Com uma malha super extensa, você pode pegar o RER Linha B para Paris, que corta praticamente toda cidade, e a partir dela fazer as trocas para a linha de metrô que fique mais próxima ao bairro onde estiver hospedado. Não lembro o valor exato do trem, mas as duas passagens deram menos de 20 euros. No nosso caso, o trem nos deixou em menos de 40 minutos na estação Denfert Rochereau, ao lado de onde ficamos hospedados na casa dos amigos Bruno e Carol, do Expresso Paris.

Como já chegamos tarde e muito cansados, só saímos para jantar na Rue Daguerre, que é uma rua super fofa, repleta de restaurantes, padarias, frutarias e afins. Mesmo nessa saidinha básica, ali pra esquina de casa que estávamos hospedados, já deu para notar que Paris nos arrebataria fácil, fácil.

Captura de Tela 2015-08-14 às 15.55.18

Rue Daguerre

Paris – Dia 2 – O Jardim, a Torre e o Arco

O dia começou com caminhada. Já tínhamos decidido que o nosso destino principal seria a Torre Eiffel, e a nossa decisão foi por ir à pé e ver todas as maravilhas que o caminho nos reservava. Aí está a vantagem de caminhar: caso pegássemos o metrô ou um táxi, perderíamos todas essas nuances da cidade. Fomos a pé!

Traçamos o trajeto, botamos o guia na bolsa e ‘sebo nas canelas’.  Cada ruazinha que se passa em Paris é um deslumbre, a cidade tem uma arquitetura muito peculiar. Nada de prédios altos, tudo é muito harmônico, com tons pasteis. Parece, de fato, um quadro. O outono (viajamos em outubro) deixou tudo ainda mais plástico, um verdadeiro cenário de filme “art noveau”.

Nossa primeira parada foi o Jardim de Luxembrugo, que fica em frente ao Palácio de Luxemburgo, construído no século XVIII. Lugar maravilhoso que merece uma parada e muitas fotos. Não deixe de visitar a Fontaine Médicis, que fica dentro do jardim. Praticamente uma pintura de Monet.

Captura de Tela 2015-08-14 às 16.09.15

Jardin du Luxembourg

Continuamos nosso trajeto de caminhada passamos pelo Museu Nacional de Cluny – Moyen Âge e também pela bela igreja de St Michael. Seguimos  margeando o Rio Sena, até chegar a vedete do dia.

Claro que no trajeto paramos pelo menos uma 50 vezes. Cada ponte e cada prédio histórico valia um clique. A parada mais longa – e nessa nos rendemos à tentação de turistar – foi na Pont des arts, a famosa ponte dos cadeados (a mais tradicional), na qual colocamos um cadeadinho e jogamos as chaves no rio, como manda a tradição. Recentemente, todos os cadeados foram removidos da ponte, porque o peso estava danificando a estrutura. O que é completamente compreensível. Na verdade, a gente só caiu na tentação, porque somos românticos incorrigíveis.

Mais adiante, admito que bateu aquela emoção quando avistei de longe a primeira pontinha da Torre Eiffel. É realmente uma construção intrigante e imponente. Embaixo dela, todo aquele burburinho dos grandes pontos turísticos.  Mas, de fato, a visita é obrigatória.

Optamos por não subir na torre, porque tentamos comprar os ingressos com antecedência (de mais de um mês)pela internet, mas estavam esgotados. Na hora, as filas estavam simplesmente impraticáveis e perderíamos muito tempo. A decisão foi subir no Arco do Triunfo, ao invés de subir na Torre. Decisão essa, que depois, conclui que foi a melhor que tomamos, uma vez que achei a vista o Arco muito mais interessante. Explicarei adiante. Antes de partir, no entanto, fizemos um lanche perto da torre. Um cachorro quente de rua, no melhor estilo “tou economizando ao extremo”. Se quiser algo mais sofisticado, ao redor da Torre tem vários cafés e restaurantes, com mesinhas nas ruas. Um charme tipicamente parisiense.

Atravessamos a ponte para o lado oposto do Rio onde estão os Jardins do Trocadéro, que na verdade é de onde tiramos as fotos mais legais da Torre, mais até do que do lado do Parque Champ de Mars, que achei a grama bem judiada, até por isso acho que algumas partes estavam isoladas.

Do Trocadéro seguimos caminhando até o Arco do Triunfo. Aqui uma dica é valiosa: nunca, jamais, em hipótese alguma, tente chegar até o arco atravessando a avenida. Conheço pessoas que tentaram e pode ser bastante perigoso. Atravesse pela passagem subterrânea. Existem várias indicações no local.

Captura de Tela 2015-08-14 às 15.58.58

vista a partir do Arco do Triunfo

A escolha de subir no Arco e não na Torre também foi bastante assertiva. Afinal de contas, do alto do Arco temos uma das mais belas vistas de Paris com aquele que é o maior símbolo da cidade: a Torre. Além disso, também dá pra ver a Sacré Coeur, linda, no alto da colina do Montmartre. Achei Perfeito!

Atenção apenas a um detalhe, a subida ao mirante pode ser bastante cansativa, são 284 degraus em uma escada espiral, e estreita, totalizando 50 metros de altura. Lembre que além de subir, você precisa descer pela mesma escada. É meio tenso (pelo menos pra mim que tenho medo de escada), mas achei que vale muito a pena, é mais barato (EUR 9) e tem menos fila. Indico. Ainda no arco, não deixe de visitar o túmulo do soldado sem nome e observar os personagens esculpidos na fachada.

Depois de toda essa maratona, ainda tivemos fôlego para fazer o mesmo caminho de volta até a Torre e vê-la iluminada a noite. Vale muito a pena. Dica: tente chegar (ou ficar) para as horas redondas (19h, 20h, 21h), que é quando as luzes piscam durante cinco minutos. Coisa linda de se ver.

Leia a parte 2 aqui!

Share on FacebookEmail this to someoneTweet about this on TwitterShare on Google+Share on Tumblr

Veja também...

3 Respostas

  1. Maria d´Abadia Oliveira disse:

    quero ir `de Paris para Bretanha e Normandia

  2. Kelly disse:

    emocionante… estou gostando de ler tin tin por tin tin!

  1. 16 de agosto de 2015

    […] Leia a parte 1 aqui!  […]

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *