Síndrome de Paris: o transtorno que atinge turistas que visitam a cidade

síndrome de paris

foto: France24

Você já ouviu falar em Síndrome de Paris ?

Seria uma vontade incontrolável de conhecer Paris? Ou ainda uma saudade inconsolável da cidade?

Não e não.

Infelizmente o significado dessa síndrome é bem menos positivo.

A síndrome de Paris é na verdade um transtorno que atinge alguns turistas – principalmente os japoneses – quando estes chegam na cidade. Esta síndrome é causada por uma enorme frustração entre o que eles esperavam ver de Paris e o que eles realmente vêem quando chegam aqui.

Paris é vítima dos seus próprios clichês. A cidade frequentemente é retratada nos meios de comunicação como um lugar perfeito, luxuoso, sofisticado, romântico. Porém, como todo grande centro urbano, a cidade apresenta muitos problemas como: sujeira, transporte público lotado, furtos, pessoas em situação de rua, etc. Isso pode causar uma enorme decepção nos turistas que esperavam encontrar aquela Paris perfeita da literatura e do cinema.

História

O primeiro médico que diagnosticou esta síndrome foi o Dr. Hiroaki Ōta, em 1986, que trabalhava no famoso hospital Sainte Anne em Paris.

Os sintomas mais comuns são: delírio, alucinações, sentimento de perseguição, ansiedade, tontura, entre outros.

Os turistas japoneses são os que principalmente sofrem com a síndrome de Paris. São em média 20 por ano. A razão é complexa, mas acredita-se que o choque causado por uma mudança muito brusca na língua e principalmente na cultura seja o principal responsável. Além disso, É importante levar em consideração que, de acordo com médicos, aproximadamente um terço das pessoas que são diagnosticadas com esta síndrome apresentavam antecedentes de transtornos psicológicos anteriormente.

As causas são complexas, no entanto o tratamento é relativamente simples: Ir embora de Paris imediatamente.

E você? Já viveu algum sentimento parecido com este? Conhece alguém que viveu? Conta pra gente!

Fonte: Europe 1 / Voyage Voyage

 

Veja também...

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *